sábado, 18 de fevereiro de 2017

A Curva do Ângulo Recto Manipulado

.
.
.

O planeta deixou de ser redondo,
Afigura-se uma nova consciência  desenquadrada,
Em cada esquina há sentimentos que se vão pondo,
  Do santíssimo triângulo, sobra quase nada!...

Pouco mais resta a esta humanidade disforme,
Cheia das mais desumanas formas com que se ilude,
Já não há enviados crentes em Cristo que a informe,
  De forma que, por Ele, a humanidade mude!...

A morte arredonda-se no choque da quadratura,
Procura-se a vida no choque do vício da morte circular,
Cada recta gira à volta da impossibilidade regular;

Desenham-se novos estilos equidistantes de leitura,
Capazes de não ler as distâncias da inconstante figura,
    Dos ângulos rectos, distantes do que seria de esperar!...

.
.


.

  

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Gene das Palavras Filhas da Puta

.
.
.

Em minha boca impoluta,
Onde minha língua se articula em pureza,
Movem-se muitas palavras filhas da puta,
E muita alegria bem disfarçada de tristeza,
    Que minha consciência, essa tristeza refuta!...

Comovem-me as minhas palavras urdidas,
Cheias de beleza miserável e comoventes,
Falam de sofrimento, ai como são sofridas,
Palavras sempre irresistíveis e influentes;
Muitas, as tenho escondidas entre dentes,
As de regozijo, dou-as como desaparecidas,
Todos eu entristeço,
Por qualquer preço,
Observo o silêncio das lágrimas comovidas,
   Prémio que mereço!...

Em minha boca impoluta,
Há uma pérfida língua, quase divina,
Que tece palavras de índole muito fina,
Dá forma macia aos ouvidos de quem escuta,
É nas palavras que entredentes se esconde a surdina,
   Muito puros parecem os genes das palavras filhas da puta!...

.
.
.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Soneto à Portuguesa (Caso Sério do Putedo)

.
.
.
choveram sedosas rendas lá do alto,
E mais finas vestes desnudas também,
Gastei a vergonha em sapatos de salto,
    Dei por mim na esquina e sem vintém!...

disseram-me em juras que andar nua,
Era meio caminho feito para me vestir,
Vi-me, foi despida nas esquinas da rua,
   Sem saber pra que mais vergonhas cair!..

É muito fodida esta puta de desilusão,
Hoje, acusadoras apontam-me o dedo,
Adivinho-as sem remorsos, só intenção;

Mas, já nada das sérias me mete medo,
Nem ao corpo, à alma ou meu coração,
   Pois, são elas o caso sério deste putedo!...
.
.

.

  

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Mimosas de Fevereiro (Flores Tardias)

.
.
.
Ressequidas mimosas que não floresceram,
Nesses montes solitários dos dias de janeiro,
Muitos olhos cansados desistiram primeiro,
Os olhos que, em vigília e secando, viveram;
Sequiosas lágrimas de mimosas escorreram,
Amareladas e secas, sem sabor, nem cheiro,
Tardias as flores que da vida se esconderam,
Talvez floresçam no frio comum de fevereiro,
E as flores acenarão, sem cor,
Que foi a vontade do Criador,
Dar à natureza a incerteza do ser verdadeiro,
Verdade das almas que lindas flores colheram,
Flores cortadas sem amor,
Por quem diz que as mimosas já morreram!...

Morremos nós também,
E todos somos mimosas,
É mimosa e é nossa mãe,
São elas flores graciosas,
Anjos de asas milagrosas,
Voo que da vida  provém,
Fonte de vidas preciosas,
   Água que sabe tão bem!...

Não sorrimos,
Elas murcham,
E nós não florimos,
Como flores murchamos,
Como murchas flores caímos,
Como flores que às flores saímos,
São as lindas mimosas que nós amamos,
Enchem-nos de mimos e por mais clamamos,
 Quando as mimosas morrem, suas flores descobrimos,
    Queremos ser como as flores que, sem saber, desprezamos!...
.
.
.

sábado, 28 de janeiro de 2017

Fria Desinspiração




.
.
.

Voltou a desinspiração,
Acabaram-se a tinta e as cores,
Qual seria a cor de minha emoção?!...
Talvez de um leve vermelho sem dores,
Cor de carbono, puro de diamantes valores,
Gás, talvez, incolor por qualquer razão,
Inodoro e vital, ausente de sabores,
    Essencial à palavra e respiração!...

Voltou a indiferente vontade e o vazio,
Fim de janeiro, mimosas sem florescer,
Á minha volta todos se queixam do frio,
Ai, se conseguisse imaginar um arrepio,
Inspirar um esfregar de mãos e aquecer,
Saber que há, apenas, um Janeiro tardio,
Sentir em minhas veias as cores a correr,
Pintar flores de mimosas e o amanhecer,
   Respirar inspiração de Janeiro colorido!...

Mas, a delicada flor da mimosa,
Neste Janeiro pelo frio fustigado,
É frio poema por mim congelado,
Não é rima de verso nem é prosa,
    Neste tardio poema desinspirado!...
.
.

.

   

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Loucura da Morte Gravitacional

.
.
.
Pela madrugada, logo a seguir ao almoço,
Levava consigo as pintas da cadelita que deixara na cama,
Gravitavam essas pintas até à boca dourada do velho poço,
Boca de um laço dourada onde se enlaçara, era ainda moço,
Profundo e cheio de céu com as cores da natureza humana,
Essa doce loucura que é amor e o amor de terna porcelana,
Onde pode ser servida a relatividade de um beijo insosso,
E a quebra prometida e jurada desde a carne até ao osso;
Uma brisa salgada acariciava a fina ideia de um pijama,
   Tão fina como a marca que lhe tatuara o pescoço,
E o momento nu em suspensão,
Na mesma madrugada que todos os dias se diluía,
O mar de sangue em ondulação,
Emquanto se afogava a emoção,
Todas as madrugadas e todo o amor se extinguia,
Pela madrugada, logo a seguir ao almoço, triste e fria,
Fibras de cánhamo, talvez refeição,
A corda e o laço apertado da rejeição,
De toda a luz do universo à mais ínfima luz sombria,
O último olhar da cadelita, em vão,
E cada pinta sua que à sua volta se desvanecia,
E por cada pinta, cada pinta permanecia,
No alinhamento do fim da sua ilusão,
As pintas, a memória vazia,
O vazio morto do coração,
Todo o amor que se ia,
E amorte da razão,
Ainda nesse dia,
    De contrição!...

Pela madrugada, logo a seguir à traição,
A pequena cadelita e os seus latidos,
Com suas pintas e seus gemidos,
E os gemidos de outra paixão,
Loucamente perdidos,
Fim louco da relação,
Últimos momentos vividos,
O sangue e a corda em sua mão,
  Pela loucura da morte unidos!...
.
.

.

  

sábado, 14 de janeiro de 2017

Eu, a Razão e o Tempo

.
.
.

Nada do que à minha volta mudou,
Se fez razão que me fizesse mudar,
Fui testemunha do tempo a passar,
A uns passos do que em mim ficou,
Neste modo de, a partir do que sou,
Partisse de mim, para comigo ficar,
     Ficando com a razão do que passou!...
  
Revolve-se o tempo em meu interior,
Sinto-o passar ao ficar dentro de mim,
Sou prisão que me prende no exterior,
Carcereiro do tempo posto ao dispor,
 Tempo que me trespassa até ao fim,
    Comigo vá o tempo para onde for!...

Sou como o tudo,
Tudo leva o seu tempo,
Um pouco de nada num momento,
Eu total,
Atrás do qual,
 Me escudo,
O final,
Do erro e lamento,
A correcção de veludo,
Do grito de liberdade e mudo,
Ao silêncio e ao pensamento,
 Contemplação e, sobretudo,
       Razão e complemento!...
.
.
.


sábado, 7 de janeiro de 2017

Morder a Língua

.
.
.

Que nunca a minha língua se tolha,
Meus dentes nunca deixem de a morder,
Quando o veneno, -ai, que Deus me faça a folha,
-Se verta sobre a brancura limpa da  minha escolha,
Pois, -bem vindo és, ó meu desejo triste de morrer,
     Antes que, pela morte do que sou, eu deixe de o ser!...

Quiz o diabo que meus dentes caíssem,
Um a um, desiludidos após mais uma desilusão,
Quiseram os homens que as verdades não vissem,
Um a um, venderam-se à eterna mentira por omissão,
Quando descobriram que padecia de eternidade, o coração,
E como se, enquanto homens, como homens não  existissem,
    Condenaram sua Alma à própria consciência em extinção!...

Procuro o único antídoto no que resta da humanidade,
Pressinto-O na réstia que ilumina a esperança dos filhos seus,
Mas, entre os seus filhos iguais, é tão abismal a desigualdade,
Que as guerras por coisa nenhuma são uma necessidade,
    Talvez (mordo minha língua) um descuido de Deus!...


.
.
.

sábado, 31 de dezembro de 2016

Fim do Fim

.
.
.
Este fim,
Tão prestes a ser fim,
É o fim de muitos sonhos,
É o fim de desejos medonhos,
O princípio de tudo que há em mim,
O triste fim dos sorrisos tristonhos,
Dos velhos sorrisos assim, assim,
E dos tristes “assins” risonhos!...

Mas... não tenham ilusões,
Que o pior dos fins está para vir,
Há um fim que teima em não parar de rir,
Ri-se do princípio de todas as ambições,
Até ao fim, alguns não vão conseguir,
Serão vencidos pelas tradições,
E pelas mais velhas emoções,
Ás quais não vão resistir,
     E eis novas desilusões!...

Este é o fim do do dinheiro,
O fim de muita vendida certeza,
É o princípio novo da beleza,
Que teve um fim certeiro,
O fim de toda a riqueza,
 Desumana por inteiro!...
.
.

.


     

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Dor de Amor

.
.
.
Dói esta minha dor não partilhada,
Esta dor egoísta que tanto magoa,
Dói a perda desta dor encontrada,
É a minha esperança que se acaba,
Para que o teu amor em ti não doa,
 Será tão só minha a tua dor amada,
    Dor que no meu amor se amontoa!...

Fui escolhido para amar, sem saber,
Que o amar também pode ser dor,
Dói o sorriso que em ti eu posso ler,
 O livro só meu proibido de escrever,
Onde oculto tuas palavras de amor,
     Numa página que não pára de doer!...

*

Todos os dias têm as horas contadas,
As semanas são contas pagas ao mês,
Os anos não hesitam que, por sua vez,
Deixam atrás, dívidas nunca saldadas,
Ficam para os próximos anos adiadas,
E logo passa o amor com tanta rapidez,
Que há livros d’amor a serem rasgados,
   Por quem pelo amor próprio pouco fez!...
.
.

.