quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Do Calor do Gelo ao Degelo da Verdade

.
.
.
Nada!..
Nada é o que parece,
Nada é do que parecia,
Nada, do que eu quisesse,
Por mais que sábio se soubesse,
Pouco mais foi do nada que dizia,
E tudo se ficaria pelo que dissesse,
    Até à relatividade de um certo dia!...

Do frio à fria morte do frio global,
Dos icebergs ao congelado pesadelo,
 Do degelo do Sol ao inferno do gelo total,
Das queimaduras geladas ao frio apelo,
Do fogo que derrete na antártida bocal,
Até aos glaciares da palavra diagonal,
     Conservada no mais sólido gelo!...

Aftas e outras úlceras bocais,
A frieza do calor e a febre infernal,
A doença secular dos nossos ancestrais,
Convencer os aviões a amarar nos cais,
Conseguir pôr um barco num voo colossal,
E antes que que o mundo se aperceba do ritual,
Fenómenos inconcebíveis de manipuladores globais,
Ditam a queda de cada mundo, a queda mundial,
Depois do princípio das verdades mais irreais,
Gelo e fogo de existência transcendental,
    Sem contestações fundamentais!...

Tudo arde sem arder,
Sem arder tudo vai ardendo,
Queima-se a verdade sem saber,
   E sem saber vai a verdade morrendo;
Como se a mentira ao degelar,
  Em vez de líquida se tornar,
   Na mentira fosse fervendo,
      Para logo se evaporar!...
.
.

.

    

domingo, 6 de agosto de 2017

As Bêberas...

.
.
.
        Amigos…    
Gosto mais de bêberas do que figos,
Grandes, brancas ou mais escuras,
Alongadas e maduras,
Gosto de palpá-las,
Quase esmagá-las,
Madurar cada bêbera verde de amarguras,
Acariciá-las!...
Amigos…
Imaginem a figueira de todos os perigos,
Bêberas doces de maduras, sem abrigos,
Sem línguas que lambam suas doçuras,
Bêberas quentes, ansiosas por ternuras,
Penduradas em seus verdes castigos,
Como se fossem docemente impuras,
Nascidas em figueiras de mendigos!...

Pingos de mel, tão doces são,
Doces são as rachas de figos lampos,
A figueira deu frutos de prazer a Adão,
   Bêberas de prazer com doces encantos!...

Eva, a primeira puta em vez de freira,
Deu a bêbera ao primeiro que homem que apareceu,
Não escondeu a madura bêbera da sua verde figueira,
Deu sua folha a Adão que o seu fruto escondeu!...

Amigos…
Comam bêberas,
   Não comam cus de figos!...
.
.


.