quarta-feira, 19 de julho de 2017

Como Podes...?!

.
.
.
Como podes julgar-me?!...
Julgar minha Fé expurgada,
Livre das tuas doutrinárias razões,
Que obedece ao canibalismo das comunhões,
Sem razão nem razoável clemência comungada,
Apenas temente à obrigação das cegas adorações,
Da configuração dos homens em suas prisões,
Configurados em cada palavra configurada,
Como se tua palavra fosse sagrada,
        Em teu juízo de divinas privações?!...

Como julgas, julgar-me?...
Julgando como aquele que te julga,
Esse que te obriga a escravizar-me,
E toda a liberdade da fé promulga,
    E da fé decreta libertar-me?!...

Como podes castigar-me,
Se nunca foste castigado?!...
Como podes reconhecer a razão,
Se a razão é um elo quebrado,
Na corrente da manipulação,
Inquebrável, sem nação,
O poder do enviado,
Imposição do diabo,
    Excomunhão?!...

Excomunhão!...
Como podes excomungar-me,
Excluir a minha Fé do Caminho,
Se sinto nosso Deus convidar-me,
    Para comer o Pão, beber o Vinho?!...
Ele é a fome que está a tomar-me,
É a sede que quer saciar-me,
É o murmúrio de carinho,
Que me alivia do teu espinho,
O teu julgamento de crucificar-me,
    Só porque julgas eu acreditar sozinho!...

Como podes libertar-me da minha liberdade,
Sem enclausurar a minha esperança em Deus,
Se não tens lugar à mesa da divina verdade,
    Onde não senta a crença de amigos ateus,
        Amigos teus sem dó nem piedade?!...

Como não é possível julgares-te,
Como podes não castigares-te,
Não excomungares-te,
  Ou libertares-te?!...
.
.
.
   




   

sábado, 15 de julho de 2017

Sorriso e o Silêncio


.
.
.

O silêncio, já farto de viver,
Em seu silêncio vai vivendo,
Vive em silêncio até morrer,
    E em silêncio vai morrendo!...

Em silêncio avança a morte,
Em silêncio esvanece a vida,
O silêncio faz-se mais forte,
   No silêncio da cor perdida!...

O traço, o desenho, o sorriso,
A linha e o silêncio, partindo,
Desmaio do silêncio indeciso;

Talvez volte o sorriso, luzindo,
Talvez volte o silêncio preciso,
     Que em silêncio volta sorrindo!...



.
.
.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Muito Fala Quem...

.
.
.
Fala muito aquele que muito fala,
Fala vazio do que em si não cabe,
Fala muito aquele que não se cala,
    Demais fala quem de  pouco sabe!...

Muito fala, esse que de si não fala,
Muito fala esse que fala do alheio,
Muito fala esse quem por si se cala,
     Muito fala esse que de si está cheio!...

Demais fala e diz nada ter a dizer,
Quem a ninguém fala do que deve,
 Muito fala a palavra sem honra ter;

Pouco fala quem nada tem a temer,
Quem fala com sua consciência leve,

     Nada fala por a ninguém nada dever!...
.
.


.

  

quarta-feira, 28 de junho de 2017

O Triunfo do Burro

.
.
.

Quando um animal,
Assume seus tiques racionais,
Confunde-se entre seus iguais,
E a igualdade mental,
De uma diferença normal,
  Diferente em todos os animais!...

Quando um burro,
Á margem de uma elite social,
Assumindo um comportamento anormal,
Confrange-se por seu defeito casmurro,
Ao querer fazer-se fenómeno verbal,
Não consegue esconder seu visual,
E mostra em seu íntimo, o surro;
É o cheiro da natureza essencial,
A sabedoria da burrice natural,
Desafiando um inteligente murro,
     Ou um coice de outro burro igual!...

Quando um animal,
Que opôs sua sombra à minha passagem,
Se quis contrapor entre meu foco principal,
E a intenção do teor de minha mensagem,
Decidindo defender a fraternidade integral,
Soltou da boca um coice colossal,
Oferecendo-me uma enorme vantagem,
Sobre a enormidade maior da sua abordagem,
    Antecipação do asinino comportamento habitual!...

Então, quando estava eu prontinho,
Para fotografar o que minha alma via naquele ser,
Surgiu entre as grandes orelhas espetadas do animalzinho,
Um afoito sarilho colado à sombra de um homenzinho,
Que lá do alto dos seus bicos de pés atreveu a esclarecer,
O imperativo da fotografia à sua autorização obedecer,
Esbugalhando, ao burro, os seus castanhos olhinhos,
      Que soltou um zurrar de perfeito entender!...

-Ouça lá, -dirigiu-se-me o homenzinho com ligeireza,
Você pediu autorização para fotografar-me, e ao jumento?...
Ao que eu respondi no momento:
-Caro amigo, eu não pretendo fotografar sua esperteza,
Mas, apenas a inteligência do burro e o seu lamento,
     Por ter um dono com tão néscia subtileza!...

Há criatura que vendo na burrice alheia,
Um tesouro que, na burrice deles, acham não ser seu,
Fecham os olhos à sua burrice, da que cada qual se rodeia,
Agradecendo a burrice que, parecendo-lhes leve, os arreia,
E os derreia com a burrice própria do próprio sandeu,
   Que, pela cobiça de burro toda a burrice granjeia!...

Zurram os burros sorrateiros,
Dos outros burros mais espertos,
Que, ao julgarem ter os olhos abertos,
     Carregam os burros verdadeiros!...
.
.

.

    

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Pirografia das Lacunas

.
.
.
Como uma cicatriz de amor jurada no veio das lacunas,
Essa jura omnipresente de um amor, por amor embargado,
Silêncio consentido das marcas de um segredo amargurado,
Que na silenciosa sombra rasgava a débil mágoa fendida,
Cicatrizando a dor que, por amor, era de si escondida,
    Na aparente solidão escondida ao mesmo amor castigado!...

Não podendo mostrar todo o amor que pelo sol sentia,
Mostrava-se vazia de luz nos dias onde o sol o escondia,
Despida de sua sombra rebelde que a tristeza costurou,
Com agulhas tristes do coração que, enternecido, cerzia,
Incandescendo silêncios que o destino na alma ponteou,
Picotando o anelar sem dedal que, desprotegido, sangrou,
Trespassado pela agulha distante que o sangue expungia,
    Escorrendo-o sobre a tesoura que a sua felicidade cortou!...

Sabendo mostrar o segredo que, por amor, sentia,
Resguardando-se numa reserva de paz melancólica,
Comemorava cada momento com felicidade simbólica,
Não deixando que amor mentido, soubesse que mentia,
Ao revelar o amor de gradadas noites, pela luz do seu dia,
   Luz celestial possuída pelo desejo de uma paixão diabólica!...

No desencontro das horas pirogravava breves momentos,
Queimando a carne com instantes de tórridos sentimentos,
Delineando contornos na injustiça de incendiadas lacunas,
Cinzas de omissões desfragmentadas em vários elementos,
Separados entre si, à distância aprazível de mãos oportunas,
Que, gravando cornucópias triunfantes de humanas fortunas,
Cicatrizam doces emendas distantes com poéticos segmentos,
    Incendiando de liberdade, a loucura de secretos movimentos!...

Agulhas incandescentes flutuam sobre oceanos de salvação,
Gravam águas salgadas com a fervura de um amor impossível,
Salgando prazeres que emergem da profunda distância sensível,
Pelas lágrimas que se afogam entre o sal que queima de sedução,
Ateando o fogo que aceita, no frio insensível do prazer em negação,
    Desencontrado das horas onde a diferença é igualdade incompatível!...

Porque a agulha que atravessa o coração é incandescente,
Ainda que a desigualdade pareça o frio de uma luz mais visível,
    Complementam-se nas semelhanças da verdade de quem mente!...
.
.


.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Fogo de Árvores ao Vento

.
.
.

Todas as árvores do mundo de todos os montes mais altos,
Amantes do vento que todas as árvores, sem ciúmes, amava,
Murmuravam histórias de cinza que o vento quente soprava,
Falando da morte de todas as florestas em todos os planaltos,
E da respiração dos homens, queimada em inumanos assaltos,
Perpetrados por um assassino que seu próprio filho matava!...

Árvores, por breves momentos de luto, em agonia,
Entre brumas de traição e o inferno que as consumia,
Choravam lágrimas de cinza ao ver o seu amante, o vento,
Soprando o amor que transformava numa infernal ventania,
Daquele amante que, pelo amor de suas amantes sedento,
Continuava a amá-las tanto, quanto do fogo era o sustento,
  Sem compreender que, por tanto amor, ambos destruiria!...

Há um código gravado numa misteriosa linguagem, à parte,
Que o post-scriptun da NASA só induz aos públicos ladrões,
Descodifica a imortalidade no frio sem escrúpulos de Marte,
Conservando os genes intactos para escolhidas ressurreições,
Àqueles que destruíram planetas azuis e seus verdes pulmões,
   Exibindo seus crimes em ricas galerias, como a mais bela arte!...

Depósitos inflamáveis de comerciais intentos mesquinhos,
Trespassam a feição dos ventos que rasgam céus queimados,
E metáforas negras serrando veios nos anéis de valiosos pinhos,
Com fumo negro da energia renovada entre fogos cruzados,
Que assinam de cruz secretos contratos de olhos fechados,
Sobre rescaldos recortados no tição dos caminhos!...

Por todas as árvores inocentes do mundo,
Há mundos estranhos de gigantes ventoinhas,
Cobrindo os altos montes de um vazio profundo,
Despojados do seu respirar humano e fecundo;
Falam de mágicas varinhas,
Com poderes nobres de rainhas,
Mas são os reis de poder rotundo,
  Donos da morte das andorinhas!...

Há cada vez mais Primaveras de luto intenso,
Há ventos nascidos assim, para serem amantes,
Oferecendo verdes sopros de afagos estonteantes,
Às verdes árvores nos altos montes e ao contra senso,
Das ventoinhas, essas substituintes do arvoredo imenso,
Que fora amado pelo vento em todos os instantes!...
.
.
.




segunda-feira, 29 de maio de 2017

Negação ao Poema Perfeito

.
.
.

Estive muito perto do poema perfeito,
Mas sempre tive este defeito,
De chegar muito perto,
De ter descoberto,
O efeito,
Certo,
Do jeito,
Pelo respeito,
De encontrar no deserto,
Um poético oásis entreaberto,
Á perfeição de um poema feito a preceito,
Que o conselho ensina em seu desígnio encoberto,
Pela ditadura dos poetas em cada poema suspeito,
Esse poema que esteve tão próximo de ser liberto,
     Mas ali se deixou ficar para sempre insatisfeito!...

Estive muito perto do Poema perfeito,
Esteve esse Poema tão perto de mim,
Mas tive sempre esse defeito,
       De ver a poesia sem fim…
 Como se… o cume,
Fosse perfume,
   De mim!...
.
.
.


quinta-feira, 25 de maio de 2017

Sal do Prefácio e da Vastidão

.
.
.

Escrevendo-me nos vastos prefácios do mar,
Fiz-me cada oceano das palavras navegáveis,
Da vastidão, fiz-me minúsculo para desaguar,
Nas frescas fontes onde tu te pudesses saciar,
   Fontes tuas, de tua sede, sempre insaciáveis!...

Escrevendo-me com minhas palavras salgadas,
Em barcos de papel, onde eu queria que fosses,
Fiz-me verbo escoado de lágrimas naufragadas,
Signifiquei-me em palavras de águas desejadas,
    Fazendo-me um imenso mar de palavras doces!...

Já não sou imenso nem sou mar contemplado,
Não sou o sal no prefácio azul das águas vastas,
Sou a falésia e a contemplação do mar passado,
Sou regato feliz percorrido por  palavras gastas,
   Palavras sempre frescas por ter-te encontrado!...

.
.
.


terça-feira, 16 de maio de 2017

Rios de Alegria sem Margens (nem água)

.
.
.

Somos tão ricos em simpatias,
Vendemos nossos sorrisos inebriantes,
Queremos ser os mais felizes todos os dias,
Partilhamos com alegria todas as nossas alegrias,
Mas quando nos vem ao pensamento, por instantes,
No quanto os sorrisos de amigos podem ser mais brilhantes,
Tudo é válido para parecermos as mais pobres alegorias,
Entristecemos,
E tudo fazemos,
Por nós, entre sorrisos e gargalhadas dissonantes,
Como se fôssemos as mais tristes mercadorias,
Á venda nas vaidades mais arrogantes,
De verdadeira alegria vazios!...
Assim vivemos,
Assim morremos,
Como se fôssemos rios,
Rios sem margens nem águas,
Onde caminhássemos menos sombrios,
     E, juntos, pudéssemos lavar nossas mágoas!...


Quero tanto, tanto que sejas feliz,
Que dances nos braços da felicidade,
Se a felicidade for, como quem diz,
    Eu… com toda a minha caridade;
Alegra-te e sente como sou a tua raiz,
     Sou a árvore e o fruto da tua amizade!...
.
.

.

   


terça-feira, 9 de maio de 2017

Aniversário do Tempo e do Sorriso

.
.
.

O tempo é viajante,
Que passa para nos visitar,
Chega como visitante,
E num instante,
    Decide ficar!...

"Hoje não posso dar-te o dia que há de vir,
O amanhã é sempre o dia que há de chegar,
Dou-te este dia para que possas, sempre, sorrir,
Dou-te o dia de amanhã para que possas recordar,
Que o tempo é uma linha que o tempo faz sentir,
Toda a vontade de ser amada e, sempre, amar,
 E dessa linha dos lábios nunca desistir!..."

Aqui fica, sempre a passar,
Como sendo estranho amante,
Que estranhamente parece amar,
Sem deixar de ser um amor distante,
    Tão próximo de nos querer deixar!...

E o tempo passa,
Pelo sorriso que fica,
  Para que sorriso se faça!...
.
.
.

  

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Maio das Flores e as Cores do Vento

.
.
.

Via em cada partícula de cada pétala de cada flor, por mais pequena que Deus a tivesse feito,
Uma flor total e única, como todas as flores que se despediam da árvore ou do seu frágil caule. Deixavam o fruto que abraçaram conforme Deus quis, hesitavam na brisa e partiam com o vento!... Via em cada lufada fresca de vento, um lago de fores que ás vezes floria num mar de pétalas de todas as cores suaves, diluídas num sereno mar de delicadeza melancólica… e via o rosto insólito de Deus, meigo, condescendente, perfeito, a repousar no oceano interminável da sua forma tão invisível quanto pleno de todas as formas que eu imaginava!...
E eu que de alguma forma, voava,
Levado pelo vento que me trazia,
Pressenti que Deus se desfolhava,
A flor única das flores que eu via,
E era esse o desfolhar que sentia,
   Por cada flor que Deus me dava!...
Um melro branco de frio, olhava-me sem medo e com medo de o ver fugir, parado e silencioso, oferecia-lhe o sorriso que a mim mesmo devia. E o melro, já preto, sorria… a princípio, talvez um sorriso amarelo e só depois, desfolhado do medo, libertava um lindo sorriso que continua por aí à solta, entre pétalas muito leves que o vento levou!... Os estorninhos sem sorriso amarelo, pétalas menores das mesmas flores e aquele grande corvo negro no batatal que nunca semeei, passeando entre a rama verde das batatas, passeando entre as suas luzidias penas pretas e o seu bico muito preto e forte, parecia mais flor do que as flores… e floria o seu contraste, como se tivesse uma consciência para ter a consciência disso!... Nunca o vi entre flores, não sei se por culpa das flores ou por qualquer florir acidental...  
Acidente, de propósito, provocado,
 Pela primavera em seu intenso estado,
De muito fazer crer no bico amarelado,
De um verdadeiro corvo no meu batatal,
Que não fosse um negro melro disfarçado,
De um corvo que se disfarçasse muito mal,
Julgando passar-se por um melro, tal e qual,
Como as flores de um jardim bem cuidado,
   Onde cada flor a outra flor pensa ser igual!...
Como as flores são diferentes!... Umas mais flores do que outras, por serem tão flores quanto outra flor é igual a outra flor que se sente mais flor!... Depois, vem a sensação de ser botão, dono de um par de casas trespassadas por agulhas, quando floresce… e desabrocha, incrédula, no momento em que tudo acaba, em que descobre o seu destino imprevisível e o destino do fruto que jamais conhecerá, em sua maturação mais sensível!...
E é cada flor tão invisível,
Tão visível às cores do olhar,
As flores proibidas de chorar,
Sempre de sorriso irresistível,
Até já não ser mais possível,
    Ser flor tão triste e disfarçar!...
O vento também floresce e veste-se com as mais leves flores que leva consigo. E essas flores, que começaram por ser uma brisa de pequenas malvas silvestres, lufadas frescas de narcisos orgulhosos de si e rodopios estonteantes de apaixonadas margaridas,
Fizeram-se vento, um vento forte,
Vento florido de tristes despedidas,
O adeus às cores das flores da sorte,
Rosas negras de saudade e a morte,
E todas as pétalas, perfume de vidas,
No perfume seco do vento perdidas,
E, por fim, a última flor, último corte,
A marcha fúnebre e lágrimas sentidas,
Um carro negro, das flores, transporte,
   Que carrega o luto das flores coloridas!...
Flores que todos os jardins cobrem, flores que hão de nascer e todos os jardins hão de cobrir... talvez todas as flores sejam terra, fresca e revolvida, de braços abertos à semente, às flores e ao retorno do processo orgânico, de onde todas as flores brotam depois de regadas com as lágrimas do adeus e da saudade e fértil sentimento que, lentamente, passa como passam as flores por cada momento!...
Serão passo flridos do passar lento,
O desabrochar da cor, o florir,
O ameno desvanecimento,
As cores do tempo,
As cores a fugir,
O lamento,
O sorrir,
O desalento,
Lágrimas e o sentir,
   Todas as flores e o vento!...
E, em Maio, todas as flores são uma flor única que oferece o fruto a quem nasce, e suas pétalas que acompanham a alma, cobrem a última viagem da vida que parte e fica nos jardins dos que ficam, como flores ainda mais flores, no coração de cada flor nascida para cuidar da cor e do perfume que na vida aconteceu...
E do perfume da alma não parte,
Como se aquela flor fosse pura arte,
Fruto do talento natural e da sedução,
E de toda a beleza, um natural baluarte,
    Capaz de fazer florir a beleza no coração!...
Depois... depois, despedem-se as cores que o vento leva, deixando atrás de si o que tantas
 vezes, da vida, levou enfeitado de flores que continuam a voar por aí... em nós!...
       
.
.
.