terça-feira, 25 de abril de 2017

Era uma Vez um Sonho de Abril

.
.
.
Era uma vez um sonho,
Que conheceu a Liberdade,
Acabaram com algo medonho,
    Começaram suas vidas de felicidade!...

Era uma vez um lindo vermelho cravo,
Que conheceu os filhos da revolução,
Não pagaram por ele um centavo,
     Andou nas lapelas da ilusão!...

Dizem por aí que foi uma vez,
Que o dia 25 conheceu esse dia febril,
 Ainda hoje lembram a festa que se fez;

Choveram cravos de promessas mil,
Murcharam depressa os cravos desse mês,
    Era uma vez um lindo sonho de Abril!...
.
.

.


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Tristes Trovas do Mundo Triste


.
.
.
Que triste mundo este,
Da morte se faz festa,
Ainda mal nasceste,
E já nada te resta!...

Que triste vida esta,
No mundo se faz a morte,
Ninguém se manifesta,
Neste mundo sem sorte!...

Tristeza muito forte,
Toda esta tristeza,
Mundo sem fé nem norte,
Bem longe da beleza!..

Tão triste a crueza,
Deste mundo vazio,
Cheio de riqueza,
Em triste desvario!...

Água cega no rio,
Triste por ter de fugir,
Foge do coração frio,
    Sem olhos para sorrir!...

É tão triste não sentir,
A tristeza sentida,
Viver e não conseguir,
   Ver a vida perdida!...

De tudo esquecida,
Triste por em nada crer,
Esperança vencida,
Por esperança não ter!...

Só Deus nos pode valer,
Valha-nos o Seu amor,
Até Deus vemos morrer,
   Rezamos à nossa dor!...

Tão triste este horror,
Por onde caminhamos,
Caminho do Criador,
    Esse que renegamos!...

Nossas vidas amamos,
Com toda a nossa vida,
Vida que desprezamos,
     Neste mundo, perdida!...

A vida prometida,
Promessas de fartura,
Farta a fome de vida,
    Farta de amargura!...

A natureza pura,
Natureza perfeita,
Sua memória futura,
     Que o homem rejeita!...

A mentira enfeita,
A beleza sofrida,
A tristeza se deita,
     Na noite mal dormida!...

Triste esta ferida,
Tão aberta do nada,
 Sangra na despedida,
     Por tristeza criada!...

Triste e fustigada,
Pela humanidade,
Triste e indignada,
     Por triste maldade!...

Feito de saudade,
Chora o coração,
Vem a ansiedade,
     E toda a emoção!...

É rezada a oração,
É Deus a esperança,
Amor, conforto e pão,
   Caridade e bonança!...

Mas, se nem Deus resiste,
Á tristeza do mundo,
Também Deus está triste,
    P’lo amor infecundo!...

Entristecer profundo,
Tristeza de sentir dó,
Tão triste o Ser imundo,
     Reduzido ao triste pó!...

É tão triste ser triste,
Tão triste por nada ser,
Sentir que não resiste,
   Á certeza de morrer!...

É o medo de sofrer,
Triste efeito dominó,
Nasce o neto sem avó,
     Morrem filhos sem querer!...

Chega o anoitecer,
Chega o pesadelo,
Triste dia o de saber,
    Da morte sem apelo!...
.
.

.

   

sábado, 15 de abril de 2017

Serpentes de Pedra ( Muralhas da Oração)

.
.
.

A dor cresce no caminho rasgado pelos insolentes,
Pedras lascadas fustigam o coração, infernalmente,
Por cada passo, as pedras afiam-se como navalhas,
Passos de pedra perseguem os passos do inocente,
Preparam-se as mortalhas,
Preparam-se as medalhas,
Embrulham corpos com o sangue frio da serpente,
Serpenteia o louvado mérito do carrasco, meigamente,
Preparam-se as fornalhas,
O corpo arde lentamente,
Preparam-se as batalhas,
Arde o ódio, docemente,
No inferno das muralhas,
    Construídas vorazmente!...

Cobre-me o silêncio de mais um dia,
Em silêncio pergunto ás lágrimas que vão caindo,
Se é calor meigo que do meu coração vai saindo,
Ou se cada lágrima que do meu coração saía,
Era mais uma pedra lascada que dele caía,
   No vale de lágrimas que foi construindo!...

Serpentes de pedra mordem de mansinho,
Suavemente, envolvem o meigo coração,
Prostram os fiéis aos pés da oração,
 Que rezam às pedras do caminho,
O sofrimento da ilusão!...
.
.
.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Em nome d'Ele (Propósito do Senso Católico)

.
.
.

O católico é um ser vingativo, por sua natureza,
Seu corpo, mesmo humilde, veste-se de riqueza,
Pelo seu deus, até por Deus, a Deus renuncia,
Esconde-se da Alma de Deus e da beleza,
E, desalmando-se de Deus, anuncia,
Mais um santo eleito com alegria,
  Santo que morreu de tristeza!...

Sinto crescer a descrença,
Não acredito no que me tornei,
Já nada sei sobre o que Deus pensa,
Sinto-me pecador como nunca e uma ofensa,
Ofendi os pecadores e por mim pequei…
Por mim, nunca a Deus me entreguei,
Mas, sempre em mim O senti,
Como imagem que nunca vi,
A mesma imagem a que sempre me dei,
      Imagem de esperança que d’Ele tenho de Si!...

Rogo-te que me apazigues, meu Deus,
Porque a nobre Igreja erguida em teu nome,
Enganando inocentes almas, os filhos Teus,
E, adoptando-os como sendo filhos seus,
    Alimenta-se, sôfrega, de sua fome!...
.
.


.

     

quarta-feira, 22 de março de 2017

Margarida Em Poema de Rosas (Primavera)

.
.
.

Pela manhã, são brancas as rosas,
Pela tardinha são rosas morenas,
Adormecem jovens rosas serenas,
No cheiro das perfumadas prosas,
     Na Primavera de floridos poemas!...

Escurecem as rosas ao fim do dia,
Vão entardecendo em harmonia,
E adormecem as rosas vermelhas,
Com seu perfume de rosa-poesia,
    O perfume fresco de rosas velhas!...

É o perfume de rosas inesquecível,
Eternas rosas de perfumado sentir,
Poemas dão-lhe o perfume incrível,
    Das rosas que em versos vão florir!...

Belas-margaridas nascem a sorrir,
Florescem para lá do jardim visível,
Dão-se aos poemas que hão de vir,
    Versos em pétalas de rosa sensível!...
.
.

.

   




sexta-feira, 17 de março de 2017

Caminho do renascer (28)

.
.
.

Cada um é para o que nasce,
  Eu nasci para ser este que sou,
Não sei se virei por onde vou,
  Se por um caminho eu ficasse,
 Antes de partir já eu chegasse,
     Longe do caminho onde estou!...

Se o caminho tivesse nascido,
 Talvez, só depois de eu nascer,
O meu caminho tivesse de ser,
E antes de caminho o ter sido,
Talvez pudesse eu ter podido,
     Ser meu caminho sem o saber!...

  Caminhas sobre mim ao passar,
  Paras, serena, em cada cantinho,
  Talvez, contigo, eu passe sozinho,
  Só, que nunca só, por só te amar,
        Tudo em ti, percorro com carinho!...

Caminho sobre ti, devagarinho,
 Eu sei a razão do meu caminhar,
Leve, me enlevo e te levo a voar,
Sobrevoamos o nosso caminho,
    Vemo-nos renascer para voltar!...

E se sentimos que tudo temos,
 E somos o que somos por o ser,
E somos para o que nascemos,
     Deste Amor sempre a renascer!...
.
.

.

  


terça-feira, 7 de março de 2017

Mimosas de Março ( Flores Tardias 3 )

.
.
.

Nunca as mimosas sobreviveram tanto,
Revelam-se, dia após dia, mais viçosas,
  Vivas, aos olhos dos vivos, por enquanto,
     Sempre verdes as duradouras mimosas!...

Crescem as flores vivas dentro do corpo,
Dentro do corpo espalham-se as raízes,
Florescem flores no jardim quase morto,
     Fora do Jardim, brincam crianças felizes!...

A flor já é maior do que o cuidado jardim,
Há flores tuas que estão dentro de mim,
Raízes sacrificaram a beleza dos amores;

Todas as flores vão florescendo até ao fim,
Fora de si, florescem jardins dos horrores,
 E floresce o adeus: -Adeus meus Amores!...
.
.


.
  

sábado, 4 de março de 2017

Mimosas de Março ( Flores Tardias 2 )


.
.
.

E antes que eu morra,
Florirei mais uma vez,
Talvez ainda te ocorra,
Entre laivos de timidez,
A salvação!...
Mas, não…
Do viço à palidez,
Vai mirrando o coração,
Esvanece sua robustez,
    Tanta beleza em vão!...

O tempo das flores doentes é escasso,
Tão escasso quanto o delicado florido das mimosas,
E do movimento suave de suas flores graciosas;
Hoje é o quarto dia de Março,
Para as raízes do tempo sobra muito espaço,
Tempo que falta à suavidade das flores silenciosas,
     Que morrem sem sentir o calor terno de um abraço!...

O amarelo é de um verde suave,
De uma estranha suavidade forte,
Como o voo inocente da inocente ave,
    Que trás consigo a mensagem da morte!...

Voltou a neve e a beleza da brancura,
Ainda trás consigo o manto frio do Inverno,
Morrem as flores mimosas em fria amargura,
Mas não trouxe a esperança do milagre da cura,
    Com as flores das mimosas, se vão do seu inferno!...
.
.
.


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Olhos de outro Olhar de outros Olhos

.
.
.


Olhos cinzentos atrás de olhos cinzentos,
Já foram azuis, verdes, castanhos e albinos,
Olhos que viram a cor de muitos tormentos,
Umas vezes muito frios,
Das suas cores vazios,
Despigmentados de profundos sentimentos,
Tão profundos quanto os belos olhos divinos,
Olhos de qualquer cor, mas sempre cristalinos,
Talvez lhes houvesse um brilho por momentos,
Vindo do mais brilhante entre os destinos,
Ás cores de olhos tardios,
Cedo, de efeitos sombrios,
Se fizeram sombra de olhares repentinos,
Olhares perdidos entre perdidos pensamentos,
Algures, em jardins de floridos olhos femininos,
Onde os homens acontecem sem fundamentos,
   Olhos e olhar em desvarios…
Olhos delirantes em seu olhar de negritude,
Febris em seu olhar por outras cores coloridos,
Mas, da cor de seus próprios olhos desprovidos,
Como se se a verdadeira cor fosse inquietude,
Transformado olhar de sossegada atitude,
   Das cores do seu sossego despidos,
Travestidos de falsa virtude…
Inferno de olhos vadios,
   De causar arrepios!...

Estes olhos não são meus,
Lembro-me de os ver em ti,
Esses olhos não são os teus,
 Os olhos com que nunca vi,
  Aos meus olhos de Deus!...
.
.

.

   

sábado, 18 de fevereiro de 2017

A Curva do Ângulo Recto Manipulado

.
.
.

O planeta deixou de ser redondo,
Afigura-se uma nova consciência  desenquadrada,
Em cada esquina há sentimentos que se vão pondo,
  Do santíssimo triângulo, sobra quase nada!...

Pouco mais resta a esta humanidade disforme,
Cheia das mais desumanas formas com que se ilude,
Já não há enviados crentes em Cristo que a informe,
  De forma que, por Ele, a humanidade mude!...

Desenham-se novos estilos equidistantes de leitura,
Capazes de não ler as distâncias da inconstante figura,
 Dos ângulos rectos, distantes do que seria de esperar;

A morte arredonda-se no choque da quadratura,
Procura-se a vida no choque do vício da morte circular,
   Cada recta gira à volta da impossibilidade regular!...
.

.
.







  

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Gene das Palavras Filhas da Puta

.
.
.

Em minha boca impoluta,
Onde minha língua se articula em pureza,
Movem-se muitas palavras filhas da puta,
E muita alegria bem disfarçada de tristeza,
    Que minha consciência, essa tristeza refuta!...

Comovem-me as minhas palavras urdidas,
Cheias de beleza miserável e comoventes,
Falam de sofrimento, ai como são sofridas,
Palavras sempre irresistíveis e influentes;
Muitas, as tenho escondidas entre dentes,
As de regozijo, dou-as como desaparecidas,
Todos eu entristeço,
Por qualquer preço,
Observo o silêncio das lágrimas comovidas,
   Prémio que mereço!...

Em minha boca impoluta,
Há uma pérfida língua, quase divina,
Que tece palavras de índole muito fina,
Dá forma macia aos ouvidos de quem escuta,
É nas palavras que entredentes se esconde a surdina,
   Muito puros parecem os genes das palavras filhas da puta!...

.
.
.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Soneto à Portuguesa (Caso Sério do Putedo)

.
.
.
choveram sedosas rendas lá do alto,
E mais finas vestes desnudas também,
Gastei a vergonha em sapatos de salto,
    Dei por mim na esquina e sem vintém!...

disseram-me em juras que andar nua,
Era meio caminho feito para me vestir,
Vi-me, foi despida nas esquinas da rua,
   Sem saber pra que mais vergonhas cair!..

É muito fodida esta puta de desilusão,
Hoje, acusadoras apontam-me o dedo,
Adivinho-as sem remorsos, só intenção;

Mas, já nada das sérias me mete medo,
Nem ao corpo, à alma ou meu coração,
   Pois, são elas o caso sério deste putedo!...
.
.

.