quarta-feira, 12 de outubro de 2016

A Mensageira e a Morte

.
.
.
Ordenou-lhe que, por si, se adiantasse,
Que fosse à sua frente e cumprisse sua missão,
Ordenou-lhe que o último baque não roubasse,
Por mais vontade que tivesse e que a tentasse,
Teria de cuidar da última réstia do coração!...

Jamais alguém a convidou,
Mal vinda, fez-se convidada,
Sempre bateu à porta e entrou,
Por medo, quase ninguém a notou,
    É o fim do tudo e o inicio do nada!...

O mal inesperado já estava feito,
As primeiras lágrimas desferiram o corte,
Juntaram-se todas as lágrimas no peito,
Choradas pelo coração mais forte;

As lágrimas murchas, lençol do leito,
As súplicas a Deus e à maldita da sorte,
A revolta profunda de não haver o direito,
     De abrirem-se todas as portas à morte!...

*
   Truz, truz…
     Já se foi a doença?!...
    Não que isso importe,
    Sou quem o medo pensa,
    Sou a…
.
.
.










2 comentários:

  1. A morte não existe

    é uma invenção dos vivos

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar