quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Recomeço do Sorriso


.
.
.
Antevejo o que não vejo,
A venda de sorrisos sem apreço,
A tristeza não compra o desejo,
E não querendo ver o que vejo,
Não me revejo no que pareço,
Vejo-me e logo desapareço,
Encontro-me e festejo,
    O dia do recomeço!...

Que me reste um sorriso para te dar,
Que o teu sorriso me ofereça o sorrir,
Que nossos sorrisos se façam notar,
    Na esperança do que está para vir!...
.
.
.


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

O Salto aos Olhos da Malta


.
.
.
Aproximam-se do arco da ponte mais alta,
Caindo do chão até às vertigens oscilantes,
É tão antecedente a cruel tristeza que salta,
Ante os olhos da pouca felicidade que falta,
 Há o abraço vazio abrindo-se por instantes,
E antes que as angústias se façam distantes,
    Despediu-se o adeus à indiferença da malta!...

A malta guinda-se até ao fundo do próximo dia,
Descem comprimidos para amortecer o abraço,
A malta vende dias anteriores à memória vazia,
 Descontinua-se o pilar da ponte sob a travessia,
 Sucumbe a ponte que é testemunha do cansaço,
     E de sua tristeza que pela fria malta se angustia!...

Tantos dias a construir a ponte, agora oscilante,
Sem que soubesse de alguém que o soubesse,
Talvez o seu silêncio triste no-lo dissesse,
Mas o dia a dia foi sempre hesitante,
Talvez a ponte não fosse o que parece,
E o amanhã não parecesse tão adiante,
Dessa solidão de todos os dias tão distante,
Tantos dias, e um só dia que fosse, assim o quisesse,
   Como se, em vez do salto, fosse travessia confiante...

Ao olhar da malta!...
.
.
.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Dióspiros Silenciosos (O Fruto Maduro de Deus e a ilusão da carne)


.
.
.

…e vieram os dias seguintes,
Dias de silêncio e pouco luminosos,
Dióspiros vão amadurecendo, silenciosos,
Como sombras maduras da luz dos pedintes,
Revelavam-se tímidos aos cegos ouvintes,
Olhos fechavam-se aos frutos preciosos,
     Amoucados com todos os requintes!...

Gente de carne, osso e pensar desossado,
Comem carne e os ossos até morrerem de fome,
Aos humildes dias de fartura comeram-lhes o nome,
Sem nome, vai passando o esquecido passado,
Pelo amanhã sem futuro que gente come,
Até restar um obeso dia de pecado,
Que um dia de tão enjoado,
      Nele mesmo se some!...

Há um dia cheio de Luz em que Ele nasceu,
Um dia antes do milagre, só se pensa em comer,
O dia seguinte apresenta a conta pelo que se comeu,
Por conveniência, a fome fez de conta que morreu,
A magra fé no alimento da Alma continua a morrer,
A necessidade da Alma alimentada desapareceu,
     E a ilusão da carne na carne continua a nascer!...

Confunde-se a falta de fé com inocência,
Ter fé na bondade é para pobres inocentes,
Avaros, os cépticos continuam prudentes,
Em vez da Alma e consciente consciência,
Preferem esconder Deus entre dentes,
  E morder a língua em feliz aparência,
     Continuando sem fé e descrentes!...

Lá virá outro Natal,
Natal que todos os dias será,
Jesus é menino todos os dias, afinal,
Para cada filho de Deus há um dióspiro bem real,
      Fruto da árvore daquele que dela cuidará!...
.
.
.


quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Fruto de Deus e de Sempre


.
.
.

Há vestígios das vindimas feitas,
Campos enfeitados por aspereza,
O denso nevoeiro realça a tristeza,
As árvores tristes dormem direitas,
Sonham com tempos de colheitas,
E fartura de sua ostentada beleza,
São invernais desolações perfeitas,
Espectros imóveis de fria pobreza,
    Destinadas a esperanças refeitas!...

Dióspiros dos braços despidos,
Que os braços vergais devagar,
Abraçam-vos e quase vencidos,
Hão, de fazer-vos amadurecidos,
No Inverno irresistível ao olhar,
Sereis reis e de beleza providos,
A beleza que vos hão, de cobiçar,
Pobres e reis vos hão, de beijar,
Serás ímpar entre frutos caídos,
     Fruto que de Deus hás, de saciar!...

Ele nasce nos braços vergados,
Vergados pela sua Humanidade,
Humanidade dos esperançados,
A esperança nos dias esperados,
     Aniversário do Fruto sem idade!...
E a humildade,
A inocência,
A simplicidade,
A vulnerabilidade,
  E a sua essência,
Fruto e bondade,
       A divina evidência!...
O sinal…
A Luz…
Dia de todos os dias e Jesus…
   Dia de Natal!...
.
.
.





quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A Porta (Ruínas da Esperança e da Virtude)


.
.
.
O que mais as revoltavam,
Era o prazer de tanto gostarem,
De suas culpas que lhes apontavam,
Simulando a denúncia que lamentavam,
Não se sabe se por não se envergonharem,
     Ou por mais rumores que sobre elas faltavam!...

Sentadas no último banco da Igreja em ruinas,
De mãos unidas num entrelaçado de fingimento,
Faziam ondular uma sequência de invisíveis cortinas,
Até ao velho padre que aos olhos das sagradas doutrinas,
Vestia transluzimentos de Deus, cobrindo-se de fundamento,
Da brisa dos rumores iam caindo cortinas de pensamento,
     Até só restarem a porta fechada e quatro esquinas,
       E o rumor invisível de um divino lamento!...

Com os rumores do tempo,
Rumores em invisível abatimento,
Cada esquina ruiu envolta em solitude,
As cortinas ainda ondulam naquela quietude,
Inquietas com os rumores que batem à porta,
Dizem que fora de portas há uma igreja morta,
    Envolvida em cortinas desprendidas da virtude!...

Atrás da porta fechada, ondula a solidão do vazio,
Não há ventos de paz e a meiga brisa do amor ruiu,
A boa-fé na plenitude de Deus entrou em desvario,
Um mensageiro sem saída perdeu-se num desvio,
Vazio de Humanidade aproximou-se cheio de frio,
Ajoelhou-se em frente da velha porta que se abriu,
Orações vazias jaziam sob o pó do futuro sombrio,
    Já dentro de si, olhou para fora e com a porta caiu!...

Com o Amor a perder-se num caminho tão incerto,
    E com Jesus a nascer, nascia o Amor ali tão perto!...


.
.
.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Família Sem Impressão Digital


.
.
.
“Ao rir-me da postura de seriedade,
Rasgo-me de riso com vontade,
Do meu produto mais sério,
Embrulho-o em mistério,
Ato-o com verdade,
Ajo com critério,
      E sobriedade!...”

*

Vendem-se Natais,
Compram-se os pais do Natal,
Apagam-se as impressões digitais,
Surdem com apelativas aparências divinais,
Mãos lisas que tentam alisar a Marca ancestral,
Sem deixar marcas, apagando a Santa Marca imaterial,
Do Fruto da árvore Mãe com as suas raízes mais naturais,
Árvore que com seus ramos cobertos por cada folha celestial,
Com sua árvore companheira, são raízes essenciais,
Do humano valor natural,
Em (e)terna vigília,
Amor universal,
     Família!...

      Família!...
Essa qualidade de valor eterno,
Valor incalculável a perder-se no valor moderno,
Templo invertido que desaba de filhos para pais,
Abrigo em construção do desamor fraterno,
Construído sem impressões digitais,
Por seres lisos de todos os Natais,
Sem marcas nem aderência,
Sem humana clemência,
Lisos por vis metais,
Triste demência,
    E pouco mais!..

*

“Anseio estar tão só,
Com minhas lágrimas sós,
Ato o riso com cegos nós,
Embrulho critérios em pó,
Dou-me à piedade sem dó,
      E choro por mim e por vós!...”

    
.
.
.


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Advento em Desapropriação


.
.
.

Espreitam dias de sonhos satisfeitos,
Dias insatisfeitos não querem adormecer,
Nascem dias iguais em dias de preconceitos,
Vivem-se dias de advento pelo dia que vai nascer,
São vendados os dias condenados a escurecer,
Há um dia de sol a nascer em todos os leitos,
A hipocrisia insinua-se antes do anoitecer,
Há fitas de ouro para os dias escorreitos,
E fitas tristes em dias desfeitos,
Dias de entristecer…
Dias em que a tristeza se vende aos dias,
Dias que silenciam a chegada do mais belo dia,
Anunciam-se dias de sonho com singela hipocrisia,
Um dia de barba branca vende-se entre mercadorias,
Veste sorrisos vermelhos debruados com inúteis alegrias…
Dias de mãos vazias contemplam a chegada do dia da alegria,
Vivem dias de respeito pelo advento com humilde euforia,
Não temem os dias de dar à luz em noites mais frias…
Têm dentro de seus dias um dia a bater de calor,
E dia algum, por mais dia frio que se faça,
Não fará do dia um dia de desgraça,
Porque não há dia de maior valor,
Do que aquele que não passa,
Dia do Filho do dia Criador,
E de todo o dia Pecador,
Dia de toda a graça,
    Dia de Amor!...

*

À espreita entre os dias de laboratório,
Dias cobertos de trevas tentam alargar seu território,
Trazem calabouços para trancarem as noites da Humanidade,
Concederam aos piores dias a perfídia do dom oratório,
Negociaram a Luz da Alma pelo desejo corpóreo,
     Tendo a morte do Dia anunciado como finalidade!...
.
.
.


segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Passar sem Vinho


.
.
.


Não…
Não deixem entrar as rãs!...
Não…
Não afoguem as manhãs!...
Não…
Não me deixem afogar,
Quero acordar,
Há buracos nos divãs,
Não deixem mais água entrar,
É em água à minha volta que eu sei nadar,
Uma hidra de água alaga-me com suas irmãs,
 Dentro de mim, vomitam água, alguns hidrófilos titãs,
Absorvem-me a desesperada necessidade de respirar,
Entram-me pelos ouvidos os anfíbios verdes a coaxar,
Tento evadir-me de mim em aflitas tentativas vãs,
Fora de mim, sinto-me no interior a naufragar,
Alcanço o limiar do meu pesadelo sedento,
Com tanta água para me rebentar,
É de sede que eu rebento,
   E acordo a transpirar!.. 

Só Jesus Cristo me valeu,
O que já água alguma me valia,
Até Jesus agradeceu o vinho que Bebia,
A Deus que a beber de seu sangue Lhe deu,
Era sangue da Vida que em Vinho bem Lhe sabia,
   E em cálice sagrado que todo o Apóstolo bebeu!...

Há uma triste sede em nossa mágoa,
Quando a sede só nos permite um caminho,
Não conseguimos passar pela vida sem água,
  Mas é triste passar pela vida sem vinho!...
.
.
.















  

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

As Mãos no Fogo do Zé


.
.
.
Pôs as mãos na água,
E para sua grande mágoa,
Nunca vira o fogo sob a panela;
Bateu o pé,
Pela inocência do Zé,
Zé, o Povo que apanhou por tabela,
Era o único Zé; Zé, néscio e magrela,
Sempre apanhado de boa maré,
Um cãozinho curto pela trela,
Sempre muito cheio de fé,
E de cada “cadela”,
Que só visto!!...,
Ao que, por não prever o imprevisto,
Bebia dos copos onde as mágoas se afogavam;
Bem que tentava ele pôr suas mãos no braseiro,
Mas se na fervura do vinho ardia o seu dinheiro,
Até as mágoas do fogo ateado o roubavam,
Consumindo o Zé, o Zé por inteiro!...

Pôs ambas as mãos na água e sem medo,
Pelo Zé, até os seus punhos, punha no fogo,
Zé, esse indomável animal feroz e pedagogo,
Exemplo para qualquer Zé calado e quedo,
A quem Zé algum deveria apontar o dedo;
Ignorou a gasolina e o fósforo demagogo,
Os fantásticos factos e factos de bruxedo,
Apostou as mãos firmes no calor do jogo,
Foi então que numa noite, muito cedo,
Aconteceu o social e político degredo…
         do Zé!!!!!!!...
Perdida a aposta, lá se foi o segredo,
E o Zé, esse incomparável Zé inocente,
Com suas mãos como dois tições em brasa,
Escapuliu a arder do fogo à solta em sua casa,
Ardiam segredos e quentes provas, certamente,
E as ricas penas ganhas em suaves golpes de asa;
E o Zé, esse Povinho que é quase sempre sapiente,
Continuou com sua razão de Zé, crédulo e dormente,
Razão que o fogo do Zé ou de Zé algum jamais arrasa,
      Por muito que qualquer Zé ou Zé-ninguém o tente!...

Vão todos ver o Zé das Sapatilhas,
Zé farsante como todos os Zés farsantes,
Farsantes levam-lhe água e outras maravilhas,
Por ele já não põem as mãos de molho como dantes,
Dão-lhe tapinhas nas costas com cruzes e cavilhas,
Sabem do fogo e de queimaduras semelhantes,
    E da água em fervura que escalda quadrilhas!...

   
.
.
.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Nostalgia da Culpa e da Inocência


.
.
.

Em estado latente de nostalgia,
De alma ao abandono no olhar,
Via as horas dos sonhos flutuar,
Só Deus, de sua memória sabia,
Confessara seu silêncio, um dia,
Silêncio onde se recolheu a orar,
Só, a Deus, só seu silêncio pedia,
    Para só o seu silêncio confessar!...

No silêncio de sua pura inocência,
Onde a sua culpa se foi perdendo,
Confiou em Deus e sua clemência,
 Concílio da Alma e sua consciência,
Felicidade e silêncio acontecendo!...

    
.
.
.

sábado, 29 de novembro de 2014

Segue...


.
.
.

Segue!…
Antes que a felicidade te cegue,
E a infelicidade seja o que reste,
Vai, e antes que o amor te pegue,
 E te arrependas do que fizeste,
Segue!...
Deixa-te levar pelo vento leste,
Esquece o sol que te persegue,
E deixa-o pôr-se onde se ergue,
Que a lua, seu luar te empreste,
E te lembre da jura que fizeste,
Foge de seres a mal empregue,
Despe-te da razão que quiseste,
Dá-te à razão que te entregue,
E seguindo-a, com a razão…
Segue!...

Segue!...
Até onde quem te segue conseguir,
Não pares para olhar o que não tens,
Atrás de ti segue o que está para vir,
Segue o sorriso que te vem a seguir,
  E, sorrindo, segue com quem vens!...
.
.
.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Vento...


.
.
.

Passa atrevido e animoso,
Uma vezes com vozeirão feroz,
Ou de leve mansinho e manhoso,
Entre elas em movimento sinuoso,
Exalante mavioso e aveludado na voz,
E elas desfolham-se rindo,
Enquanto se vão despindo,
Apressam-se, ele passa por elas veloz,
Abraça-as, beija-as e segue furioso,
Afasta-se e desaparece saudoso,
Não vê as últimas folhas caindo,
Deixou-as nuas de tão airoso,
 E um alento frio as cobrindo!..

.
.
.

domingo, 23 de novembro de 2014

As Abelhas


.
.
.

Abelhas rastejam até onde podem,
A fome alastra até onde a obrigam a ir,
Tristes e tristeza perderam-se no pó do sorrir,
Não pensam como é que os mortos se sacodem,
Nem se haverá alguma salvação que os possa sacudir,
Caídas, as leves asas sem pólen não os podem acudir,
Há novas semente nos cemitérios em desordem,
E antes do voo da morte que esteja para vir,
     Amam-se venenos que a vida acodem!...

O voo livre das abelhas foi censurado,
O sorriso das abelhas foi alvo de censura,
Vendem-se sorrisos aos crimes de Estado,
Os estados pagam com asas de ditadura,
Talvez algumas abelhas tenham voado,
E com elas, suas livres asas levado,
Talvez voltem com doce bravura,
O voo do mal nem sempre dura,
Talvez o mel esteja guardado,
     No cheiro da flor mais segura!...

*

Uma abelha trabalha entretida,
Prova néctares de flor em flor,
Apresenta o Sol a uma formiga,
Dá-lhe calor onde ela se abriga,
E a luz meiga do seu esplendor,
É a Natureza perfeita do Amor,
    Nas asas de uma abelha amiga!...
.
.
.


Sentido Contrário, a Mudança


.
.
.


Sobre a pesada paciência mais alta da superfície plantar
Em superficial observação dos homens que o sacudam,
Curvam-se sob o peso dos pés os homens que mudam,
Mudam homens que mudam ao verem homens mudar,
É eterna a célere mudança dos sonhos até ao calcanhar,
    Não há homens até ao fim que findos homens acudam!...

E quando o homem do avesso chega aos tornozelos,
Acabam-se as vertigens deixadas nos calcanhares,
Os pés nus são belos e como é tão bom tê-los,
Como é sublime vê-los,
Pressentir os despertares,
O desejo trigueiro de querê-los,
 E as mudanças enrubescidas dos ares,
  No ar do tímido saber a açúcar dos mares,
     E, destemidos, contra tudo e todos, sabê-los,
      Passar-lhes o pente pelo desdém dos seus cabelos,
           E adivinhá-los perfeitos aos olhos dos seus olhares!...

Em casa, põem-se mesas de patas para o ar,
Nas costas dos pratos, troca-se a ordem dos talheres,
Em casas mudadas, esperam homens mudados por amar,
A Natureza traída chora as lágrimas que Deus deixa chorar,
    Mudaram-se os beijos roubados aos lábios das mulheres!...

Em sentido contrário ao sentido da gratidão,
Os barbudos marcham de costas contra a ordem natural,
Das longas barbas, caem beijos barbudos que beijam o chão,
Mudam as mulheres que mudam ao verem a mudança casual,
   Mulheres beijam-se por beijar e nada mais lhes resta da razão!...
                         
    
.
.
.

sábado, 8 de novembro de 2014

O Fazer Feliz da Mentira


.
.
.


Abordavam a ansiedade do menino, delicadamente,
A bem de suas verdades que a mentira se não visse,
Sorriam doces ameaças, muito educadamente,
Pedindo que fosse educado e mentisse,
Ofereciam-se a quem se omitisse,
Ao mentir verdadeiramente,
Com a verdade aparente,
 E se da verdade fugisse,
Apenas seria diferente,
    Do muito que sentisse!...

O menino fora muito bem criado,
Por educadores pobres sem pobreza,
Sabe o verdadeiro valor de sua íntegra riqueza,
Senhores e senhoras querem-no na condição de comprado,
Prometem-lhe verdadeiros sorrisos e um passaporte acreditado,
Não lhe pedem que fraqueje aos olhos vendados da franqueza,
Nada custa mentir, se mentindo passar por bem educado,
  E faz feliz a velha verdade tratada com ligeireza!...

O menino fez-se o mesmo de si,
Cresceu com a verdade que não mudou,
É verdade que a verdade envelhece por aí,
E há velhas mentiras que nascem aqui e ali,
Perguntam à inocência que as censurou,
     Porque bate com a verdade e sorri!!!...
     Lá se foi perdendo a compostura,
Na descompostura que foi crescendo,
Fizeram-se templos de imaculada lisura,
Demitindo-se da verdade e, se porventura,
Nas costas largas dos outros se foram lendo,
Deixaram de ser costas ainda que as sendo,
Omitiram sua extensão em toda a largura,
    Do nada valer de que se foram valendo!...
.
.
.