segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

A Pedinchice

.
.
.

As crianças cumprem a ordem,
Espalham-se para pedir o que podem,
Pedem a quem puder dar o que puder,
Deu o último suspiro uma pobre mulher,
     E os ricos que pedem não lhe acodem!...

Uma jovem desnudada,
Pôs a nu alguma almas despidas,
Umas despiram-se da carne de suas vidas,
Outras vestiram-se com a sua carne desejada,
Enquanto uns se davam à Natividade marcada,
Recebendo a Esperança, para muitos, perdida,
     Almas perdidas pagavam por corpos de nada!...

As crianças continuam a pedir,
Dão inocência à inocência de quem dá,
Dão certezas do feliz Natal que alguém terá,
Ninguém lhes mente por não querer mentir,
Dão-lhes promessas da fartura que virá,
    Anuncia-se a fome que está para vir,
Os que recebem não vão acudir,
     E a pedinchice continuará!...

Uma alma simples partilha o pouco que tem,
Quem pouco tem, partilha muito do que recebe,
Não há significado para o preço a pagar a alguém,
Dos seus dias que partilha, nada deve a ninguém,
     Quem os diários da Alma partilha, a si, nada deve!...
.
.
.



2 comentários:

  1. Tudo se move por interesses

    até a Alma
    quando se partilha em nome próprio
    nos espelhos



    ResponderEliminar