segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Pena Suspensa

.
.
.


...Há qualquer coisa nos voos intermináveis,
Um não-sei-o-quê nas penas suspensas,
Movimentos um tanto indecifráveis,
A voar com asas de penas extensas,
Sem pena das quedas propensas,
Aos picados voos pouco prováveis,
De libertar aves de asas imagináveis,
    Dando corpo liberto às Almas imensas!...

A meio do céu que eu não vejo,
Uma pena faz de conta que voa,
    Na leveza de um morno bafejo!...

 .
.
.


5 comentários:

  1. Poemas...pequenos, intensos. Poema é bom quando dá asas a imaginação. Estes gostos. É feito sentir cócega de penas na alma.

    A imaginação e a emoção é quem transforma o poema escrito. Nem sempre a essência escrita pelo escritor é a mesma sentida pelo leitor. Ao leitor os voos necessários, os voos da imaginação, os voos do sentir...

    abraço!

    ResponderEliminar
  2. Me vi neste poema. E aí, é que a imaginação cria asas. kkkkkk

    Gostei desta imagem da pena.

    ResponderEliminar
  3. Se me arrebata o poema,
    o voo é imediato
    e naquele instante
    intenso, sentido,
    apenas naquele instante
    o poema
    me pertence!

    Abraço, poeta!

    ResponderEliminar
  4. N’asas da “Pena Suspensa” a poesia voa na sensibilidade, ou no indulto do poeta, mas também na razão do homem que não ergue diferenças entre um e outro. O itinerário d’asas não representa um ponto de chegada, nem mesmo de partida, mas a própria dinâmica do voo. À proporção desigual da contrariedade, a crítica. O percurso. A contemplação do céu é o limite. Poético. E a graça. Se não é a pomba da paz. É da pena à paz. Também o poema. E nenhuma culpa. Nem culpado.

    O poema acaricia. A poesia acolhe. Como um abraço. Ou um beijo. Ou, quem sabe, como um bafejo.


    ¬

    ResponderEliminar