domingo, 1 de janeiro de 2012

... em Vão!

video
.
.
.
...Olho em frente,
E tento não enlear-me na ilusão,
De acreditar que tudo será em vão,
E em vão seja a ilusão do Sol nascente,
Que nasce em meu olhar poente,
    Luz e Calor de minha razão!...
.
.
.



5 comentários:

  1. Música, imagens e poesia. Não é a sensibilidade d’Alma que me encanta, mas a sua predisposição à sensibilidade.

    Nem um questionamento. Nem uma avaliação. Uma auto-reflexão que é objeto de reflexão. Concordar que não foi em vão é pouco. É preciso dizer que os poemas d’Alma são fontes de conhecimento, de descoberta e, claro, de reflexão. Porque antes de espelhar-se na realidade e de referir-se a qualquer tema dessa realidade, falam de si próprio focalizando a arte que a torna poética, isto é, a linguagem da essência, da verdade, que é a sua conexão com o mundo, portanto, com a sua própria realidade.

    Há poemas que nascem com o sol nascente. Outros com o sol poente. Sem intervalo de tempo. Ou espaço. Antes, durante e depois a poesia acontece, tornando visível tudo aquilo que está oculto e pronto para ser revelado. A poesia d’Alma é caminho [“Luz e Calor’] e “... em Vão”, então, é o lugar que a poesia transcende a concepção de arte como sentimento e expressão, para ser autoconsciência e construção de consciência [‘de minha razão!...”].


    ¬
    Por ser caminho, desfruto oportunamente da reflexão.

    ResponderEliminar
  2. Nada é em vão.

    E nem olhe tanto a frente,
    fique presente no momento
    e sorva intensamente

    como faço agora, lendo teu poema.

    Abraço, poeta!

    ResponderEliminar
  3. O passado é passado, viver de memórias não é viver. É um novo ano escolha um novo rumo. Beijos fortes e de coragem para encontrar um novo caminho.

    ResponderEliminar
  4. Para o "anónimo", aqui em cima...


    Senão gostou do meu comentário no seu blog, se calhar pouco do seu agrado, tinha duas hipóteses: ou publicava ou não publicava!... Nada a apontar por não o ter publicado, já o mesmo não posso deixar passar em claro, por vir aqui ressabiar-se com essa máscara muito própria de alentejanices ou algarviadas!...
    Há uma certa loucura de deslumbramento em certos círculos habituados a sorver dinheiros públicos, sem que o mereçam, a coberto de uma Cultura corporativista!...
    Ora aqui está um comentário que devia ser feito no seu espaço cultural, mas como seria tempo perdido... no caso de aqui voltar para verificar se eu publiquei ou não o seu anónimo comentário, aproveite este caminho para seguir, por aonde deve seguir!... E sempre pode voltar, para aprender qualquer coisa mais sobre a teoria da sombra e da própria sombra que o brilho das outras luzes dos outros provocam!...

    Abraço e...


    Bom Ano de 2012

    ResponderEliminar