quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A Pedrinha




.
.
.

Aquela pedrinha,
Ali sempre quietinha,
Nunca se queixava;
Batia-lhe, batia-lhe,
E não pestanejava,
Doía-lhe, doía-lhe,
E ali ficava!...

No regresso de cada patuscada,
Presságio e arrepio do que não pedira,
O monstro desaustinado, bêbado de ira,
Corria a Pedrinha à pedrada,
E por cada uma que lhe acertava,
Entumecia pelo ciúme que o impelira!

Depois, com o remorso, vinha a covardia,
Fugia o covarde para bem longe da Pedrinha,
Esquecia a Justiça que na pedra merecia,
Mas não a pequena Pedra mansinha!...

Num dia cinzento, quis a Pedra fugir,
Mas não tendo amigos para onde ir,
Ali ficou!...
Num Inverno em que Sol não havia,
Sentiu que a sorte mudava;
 A Pedrinha, que antes sofria,
E pelos castigos aguardava,
Agora já não aguentava,
Veio mais um que a possuía,
Mais um que seu sofrimento não via,
Se um a magoava,
O outro lhe batia!...

Apostavam ambos a Pedrinha,
Naquele cruel jogo da Vida,
Todos desejavam sua beleza de rainha,
Beleza dela sempre escondida;
Ora a perdiam,
Ora a ganhavam,
Numas vezes a agrediam,
Noutras a beijavam,
Se uns a maltratavam,
Dela, todos riam,
Outros bofetadas lhe davam!...

No fim de um Inverno,
A Pedrinha desapareceu,
Dizem por aí que morreu;
Para a Pedrinha de olhar terno,
Acabara uma vida de inferno!
.
.
.





12 comentários:

  1. Que essa vencida pedrinha enfim tenha encontrado o bom caminho,,,,abraços de bom dia pra ti amigo.

    ResponderEliminar
  2. Estes finais do Inferno são sempre a melhor parte das histórias de vida. Infelizmente, sempre tardios. Às vezes, ocorrem mesmo tarde demais...

    ResponderEliminar
  3. Seus poemas sempre oferecem possibilidades de sentir e de interpretar.
    Dos temas que me veio a mente foi a morte como a salvação, ou a violência contra as mulheres. A violência que se faz de várias formas.


    abraço.

    ResponderEliminar
  4. Meu amigo

    Triste mas belo este poema...quantas pedrinhas dessas estão por esse mundo...completamnete expostas às imtempéries de alguém.
    Gostei muito de o ler.

    Beijo
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  5. ...não raro pedrinhas viram
    diamantes sob a pressão
    do buril.

    obrigada pela visita!

    adorei estar aqui tbm.

    bj

    ResponderEliminar
  6. Caro POETA;
    Magnífico poema, numa alegoria muito bem conseguida, em que o estilo metafórico é excelente.
    Quantas "pedrinhas" gravitam à nossa volta, sem que se lhes preste o mínimo de atenção e se lhes reconheça o direito à dignidade.
    Gostei imenso.
    Um forte abraço.

    ResponderEliminar
  7. quem sabe a pedrinha se tornou em grãos de areia e acabou sendo banhada e adorada pelas sereias do mar
    Bj

    ResponderEliminar
  8. Um cristal. E um anjo. Uma mulher. Uma Pedra. O uniVerso. Na história que não é de amor, mas que não deixa de ser sobre o amor.

    Há o poema e há a mensagem. Além deles, há a emoção estética. “A pedrinha” tem como premissa causar efeito ao drama de origem psicológica e física, ao qual, algumas mulheres submetem-se em seus relacionamentos.

    Rimas e ritmos conferem ao poema a sonoridade poética. Pode-se ‘ouvir’ o poema, e dando-lhe a voz do coração [d’Alma], a regularidade dos versos acrescenta suavidade ao tema, amortizando sua dor, funcionando como disfarce, e paradoxalmente, realçando a verdadeira intenção.

    Fascinante.

    A ‘pedrada’ é uma manifestação de agressividade, ou de repúdio, assim como ‘pedra’ pode significar a dureza da vida, as dificuldades que enfrentamos. A “Pedrinha” rompe com seus mais variados conceitos de ré para transformar-se em vítima [“Corria a Pedrinha à pedrada”]. Um nome próprio. E ganha vida.

    A imagem auditiva também é visual: “Num Inverno em que Sol não havia, / Sentiu que a sorte mudava; / A Pedrinha, que antes sofria, / E pelos castigos aguardava”. O sol remete-nos ao RE-nascer de um tempo, aos conflitos que podem desfazer-se, ou solucionar-se. DiVerso, reinventa o verso, e lembra-nos de que entre o amanhecer e o anoitecer, há o inverno: “Se uns a maltratavam, / Dela, todos riam, / Outros bofetadas lhe davam!...”.

    Aflora-se a consciência. Os responsáveis e os responsabilizados. E a impunidade.

    Assim, a serenidade do fazer poemas e do fazer sentir a poesia, supera a tristeza. Ou a decepção. Os versos, na autoria da voz poética, sensíveis, e na leveza d’alma, unem-se ao desfecho já imaginado em muitas outras histórias, de vidas reais e de invernos frios e dolorosos, trocando, entretanto, a agonia por alívio: “Acabara uma vida de inferno!”.





    ¬
    Há quem colecione pedras. E há quem colecione pedradas. E há também quem lapide pedras até transformá-las em ‘Pedrinhas’, de cristais, ou de vidros, pouco importa.

    E há quem se admire com as mãos que as lapidam.

    É o caso.

    ResponderEliminar
  9. Um belissimo final de semana pra ti amigo...abraços fraternos.

    ResponderEliminar
  10. D,Ama

    A pedrinha conforme a vemos pode ser arte, como tal sente sofrimentos. Isso só a poeta artista verá e num poema belo e imaginativo é presente.
    No meu blog EXPERIMENTAÇÃO, tem X finalidades, sempre sem grandes investigações. Agora vou digitalizando algumas fotos de artistas que coleccionei.
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Quantos pedrinhas gravitam ao nosso redor e que as ignoramos...
    Belissimo poema... Intrepreto-o como um alerta para as tais pedrinhas que connosco cohabitam e são esquecidas.

    Bom fim de semana

    É um gosto ler-te

    bjitos da gota

    ResponderEliminar